Artigos

Como as lendas islandesas refletem a proibição de dançar

Como as lendas islandesas refletem a proibição de dançar


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Como as lendas islandesas refletem a proibição de dançar

Por Aðalheiður Guðmundsdóttir

ARV - Anuário Nórdico de Folclore, Vol. 61 (2005)

Resumo: O artigo a seguir é sobre repressão e como a cultura reprimida pode encontrar expressão nas lendas. Como uma discussão sobre cultura em um sentido mais amplo provavelmente exigiria extensa pesquisa e muito espaço, optei por estreitar o foco e me concentrar em uma manifestação: a dança. Começarei descrevendo a oposição das autoridades islandesas à dança, que resultou em seu aparente desaparecimento no século XVIII. Em seguida, proponho examinar essa oposição à dança em relação às lendas islandesas nas quais o “povo escondido”, ou elfos, aparece. Depois, pretendo analisar as atitudes em relação à dança que encontramos refletidas nessas lendas e na cultura “underground” que nelas viveu.

Introdução: A julgar pelas fontes escritas que mencionam a dança como parte das diversões das pessoas comuns, parece que a dança como tal era praticada no início da Islândia, pelo menos já no século XII. Vésteinn Ólason considera que essas fontes indicam que as danças organizadas eram comumente realizadas nos séculos XII e XIII e que, do ponto de vista da exatidão histórica, pode-se afirmar que ocorreram na Islândia logo após 1170, embora seja bem possível que a dança era praticada antes dessa época, como sugere a saga do bispo Jón Ögmundsson.

No entanto, as fontes não apenas testemunham que a dança acontecia na Islândia desde o século XII, mas também que era vista de forma negativa. Oposição oficial às festas dançantes organizadas (gleði) parece ter surgido pelo menos já no século XII, quando Jón Ögmundsson, que se tornou bispo de Hólar em 1106 (falecido em 1121), fez campanha e fez com que fosse banido de um jogo ou passatempo (Leikur) que era comum na época, em que um homem e uma mulher se chamavam em versos que não cabiam em serem ouvidos. Isso é afirmado na saga sobre o bispo, Jóns saga helga, e uma versão mais jovem da mesma saga deixa claro que o leikur aqui referido era uma dança. Devemos lembrar aqui, no entanto, que Jóns saga helga não é uma fonte contemporânea; foi escrito no início do século XIII, com base em uma versão latina que agora está perdida, mas acredita-se que tenha datado pouco depois de 1200. Embora dificilmente possa ser visto como uma fonte confiável, considera-se certo que descreve práticas e atitudes correntes na época em que o autor vivia, “antes do seu dia ou tanto antes do seu dia como durante a sua vida”, isto é, cerca ou antes de 1200.


Assista o vídeo: La hermosa islandesa que se quedó con la corona de Miss Eurocopa 2016 (Julho 2022).


Comentários:

  1. Corren

    Eu acho que você está errado. Eu posso defender minha posição. Envie -me um email para PM.

  2. Eleuia

    a mensagem relevante :), vale a pena saber ...

  3. Jussi

    Que resposta fofa

  4. Buagh

    Claro que é triste... Afinal, para alguns acontece...

  5. Fekinos

    Cometer erros. Precisamos discutir. Escreva para mim em PM, fale.

  6. Bourne

    Parece-me uma ideia magnífica



Escreve uma mensagem