Artigos

Perspectivas de poder: mulheres imperiais bizantinas

Perspectivas de poder: mulheres imperiais bizantinas


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Perspectivas de poder: mulheres imperiais bizantinas

Por Carina Nilsson

Preteritus, Vol. 1 (2009)

Resumo: Este artigo oferece uma breve visão geral de minha pesquisa preliminar de tese de M.A. sobre a vida das mulheres imperiais bizantinas e sua autoridade e influência política. Ao identificar a falta de atenção que os bizantinistas do passado e do presente deram a essas mulheres e redefinir a noção do que constitui “poder”, este artigo visa incorporar as experiências importantes das mulheres imperiais bizantinas na narrativa histórica mais ampla.

Introdução: Ao examinar o poder político e a posição das mulheres imperiais bizantinas do século VI ao século XII, torna-se bastante aparente que há uma omissão clara de mulheres imperiais poderosas na historiografia bizantina contemporânea. Apesar de sua visibilidade nas fontes primárias, a definição tradicional de “poder” no campo atual coloca esmagadoramente a autoridade legítima apenas nas mãos de um homem, enquanto a vida das mulheres imperiais permanece ausente na maioria dos textos. Por meio dessa exclusão, foi criada uma versão distorcida da história, na qual a posição e a influência consideráveis ​​das mulheres imperiais na política foram amplamente ignoradas. Em vez de ser relegada a um campo especializado, ou a compilações cronológicas de biografias, as vidas das mulheres imperiais precisam ser tornadas visíveis mais uma vez e incorporadas à narrativa histórica mais ampla. É dessa forma que sua autoridade e envolvimento político podem finalmente ser reconhecidos como parte integrante da história do Império Bizantino como um todo.

Quando um campo de estudo histórico foi esculpido, as estruturas escolhidas para representá-lo são indiscutivelmente mais importantes do que o material em si. As estruturas analíticas podem fornecer um caminho para uma compreensão expandida do assunto ou podem deturpar o material, subordinando-o às ideias preconcebidas do acadêmico. Isso pode levar ao infeliz resultado de um campo permanecer saturado por uma mentalidade exclusiva e uma perspectiva estritamente definida. Foi desde o início da disciplina histórica bizantina que os bizantinos e seu Império começaram a ser construídos como algo diferente do que realmente eram.

O “Império Bizantino” é um rótulo historiográfico criado no século XVII e tem sido usado desde então para descrever o território flutuante do Império Romano Oriental. O povo desse Império, que existiu de 330 DC a 1453 DC, considerava-se romano, chamava-se romano e acreditava que seu império era o Império Romano. No entanto, muitos estudos trabalharam para separar os bizantinos e sua história de seu legado romano e criaram uma imagem do Império como um estado militar criativamente estéril, cristão ortodoxo. No entanto, existem hoje muitos bizantinistas que estão trabalhando duro para remodelar uma representação mais precisa do Império Bizantino e seu povo. Embora seu sucesso tenha sido tremendo, a vida das mulheres imperiais e das mulheres em geral continua a ser pouco explorada e precisa seriamente de reconhecimento.


Assista o vídeo: 12 ago 2020 - A arte bizantina: parte 2 (Julho 2022).


Comentários:

  1. Akilmaran

    Para mim, o assunto é muito interessante. Dê com você, nos comunicaremos no PM.

  2. Meztiran

    Você pode ver isso!

  3. Ane

    Desculpe, pensei, e apague as mensagens

  4. Sener

    Sim, você é o contador de histórias

  5. Adrastus

    Wacker, your phrase will come in handy

  6. Nygel

    Eu parabenizo, sua ideia é útil

  7. Faurn

    Peço desculpas, mas, na minha opinião, você admite o erro. Entre vamos discutir isso. Escreva para mim em PM.



Escreve uma mensagem