Artigos

O grande herói cruzado: Luís IX ou Joinville?

O grande herói cruzado: Luís IX ou Joinville?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O grande herói cruzado: Luís IX ou Joinville?

Por Adriana Almeida

Medievalista Online, Vol.4: 4 (2008)

Introdução: Joinville's Vie de Saint Louis é, no mínimo, um relato comovente de uma dura campanha no Oriente e da humanidade e santidade de um rei. No entanto, existem inúmeras maneiras pelas quais o leitor pode ser tocado, desde a excitação com as descrições das batalhas, a ternura pela bondade do rei Luís IX ou o aborrecimento provocado pela presença imponente do próprio narrador. Este ensaio busca estudar a relação do autor com os ideais de cavalaria expostos na obra de Joinville, e tentar entender, se possível, quem é o verdadeiro herói no Vie de Saint Louis.

Na Dedicação ao futuro Luís X, Joinville afirma ter escrito o livro a pedido de sua mãe, a rainha Joana de Navarre, para registrar por escrito 'a piedosa palavra e as boas ações de nosso Rei, São Luís', ilustrando a santidade do monarca. Claramente, Joinville tinha esse apelo em mente ao compor os capítulos que abrem e encerram a obra. Nestes, o leitor fica maravilhado com o derramamento de qualidades, atos exemplares, conselhos e atos de administração capaz do reino por seu amado rei. Quase não há narração, e tudo o que existe está sujeito ao propósito de ilustrar os atributos do monarca. Os fatos enumerados têm pouca ou nenhuma relação lógica entre eles. No Capítulo Um da primeira parte, por exemplo, de um conselho do Rei sobre como as pessoas devem se vestir, pulamos para uma anedota sobre o Rei Luís questionando Joinville sobre sua ideia de Deus, e então para um episódio em que o monarca avisa nosso escritor seguir o exemplo de Cristo e lavar os pés dos pobres. Os capítulos finais, embora da mesma natureza, oferecem uma divisão um pouco mais organizada dos esboços: "sua sabedoria", administração do reino ou patrocínio e piedade.

Os capítulos do meio (Parte Dois, Capítulos Dois a Dezessete), que representam a maior parte do livro, constituem uma narrativa, com início, desenvolvimento e fim. As fronteiras entre as partes podem variar dependendo do que consideramos ser o enredo principal, se a aventura cruzada dos personagens principais, o desenvolvimento da amizade entre Joinville e Luís, ou qualquer outro, mas estabelecer esses limites não é uma preocupação em o presente ensaio. Tentar definir o próprio enredo é, no entanto, e isso será analisado a seguir. O cenário é a primeira cruzada do rei Luís, mas, embora o monarca tenha grande participação nela, e ao contrário do que acontece nos capítulos iniciais e finais, ele não é o personagem principal.


Assista o vídeo: Como montar um canil? (Julho 2022).


Comentários:

  1. Istvan

    Que pensamento gracioso

  2. Odel

    Presumivelmente.

  3. Berto

    Bravo, acho que esta é a excelente ideia

  4. Kigazahn

    Com licença pelo que tenho que intervir ... situação semelhante. Pronto para ajudar.



Escreve uma mensagem